Ciúmes #03 – Superando

Continuando nossa conversa sobre CIÚMES, nesse terceiro dia, queremos compartilhar informações ricas que devemos ter, para melhor lidar com o ciúme, seja nosso ou do conjunge.

1) Diálogo
A comunicação para ser eficiente precisa ser coerente, por isso a linguagem verbal e a corporal precisam de fato estarem alinhadas.

Quando há falhas na comunicação, o respeito se perde e uma enorme porta será aberta, por isso recomendamos que o diálogo gostoso, frequente e verdadeiro sempre é muito bem vindo.

2) Atitude
Sabe a expressão: “Procurar chifres em cabeça de cavalo”, pois é, nossas atitudes precisam ser claras e transparentes, sem margem para acusar ou sermos acusados de algo, e ações simples como:

> Sempre usar o celular perto do parceiro (a)

> Falar ou mostrar para o outro, quando alguém suspeito lhe adiciona no Facebook.  Um bom termômetro é se colocar no lugar.  Será que eu gostaria que ela (e) adicionasse tal pessoa?

> Usar as redes sociais normalmente na frente do parceiro (a)

> Nada de ficar olhando para outras pessoas na rua… siga em frente, seja feliz

3) Confiança
Aprenda a confiar no outro (a) e em você.  Permita que a pessoa faça as próprias escolhas e que também possa tomar as decisões, ou será que você só gosta de fazer o que o parceiro (a) diz para fazer?  Claro que há limites, e o item 1 (um) acima precisa se fazer presente: Diálogo!

4) Insegurança
Por inúmeros motivos e todos válidos, podemos nos sentir inseguros (as), mas é importante a tomada de consciência e refletir sobre a gênesis desse sentimento.

> O que já aconteceu na minha vida que me deixa assim?

> Tenho em mim que meu pai ou minha mãe era inseguro?

Seja o que for, seja grato por tudo que aconteceu e se permita ir em frente, de forma livre e forte, e se fizer sentido para você: Ressignifique, dê um novo olhar para a situação

5) Amar
Aprenda a se amar de fato, aceite o amor incondicional, sem julgamento ou quaisquer penas, aceite a verdade de que você é IMAGEM E SEMELHANÇA de DEUS, que você é Imagem e Semelhança do AMOR.

O seu passado não representa quem você é de fato, muito pelo contrário, você só é para os outros, aquilo o que você é primeiro para si mesmo (a)