Gratidão #04 – Gratidão e Neurociência

Diante de fatos, não há argumentos, mas cada um tem a liberdade de escolher o caminho que deseja…

Ser GRATO, é uma filosofia de vida e gera excelentes resultados, criamos uma visão maior e melhor dos fatos e acontecimentos, quem é grato consegue assumir uma blindagem dos elementos psicoemocionais consideradas negativas como arrependimento, frustração e decepção. Isso porque o ato de se sentir grato faz com que valorizemos os seus acertos, tirando o foco das falhas e tropeços cometidos no percurso da vida.

Paulo Cesar de Oliveira

A gratidão para a neurociência
A neurociência nos ensina que a felicidade está diretamente relacionada com a gratidão: quando SOMOS GRATOS, ativamos o sistema de recompensa do cérebro, fazendo acontecer a sensação de bem-estar. Assim, o cérebro compreende que algo positivo está acontecendo e libera o quarteto da felicidade: DOPAMINA, SEROTONINA, ENDORFINAS e OCITOCINA, neurotransmissores que são responsáveis pela sensação de prazer.

Exercitar a gratidão, portanto, eleva os níveis de emoções positivas, vitalidade e satisfação. Essa ação, entretanto, não significa ignorar os aspectos que precisam ser trabalhados e melhorados em outras esferas da vida: ao mesmo tempo em que é preciso ser grato, também é fundamental estar em constante evolução e desenvolvimento pessoal.

Quando mais RECLAMAR, menos quarteto da felicidade fortificamos para entrar em ação e as consequências são o inverso da alegria, bem estar e motivação. A falta de entusiasmo e a procrastinação podem estar relacionadas aos baixos níveis desses neurotransmissores no organismo. Essas substâncias são responsáveis por funções relacionadas à atividade motora, motivação, comportamento e foco, sendo responsável por motivar e impulsionar o indivíduo para a ação. Quando se encontra em baixos níveis no organismo, a pessoa pode apresentar os seguintes comportamentos:

Dúvidas a respeito de si mesmo e de sua capacidade:
Falta de entusiasmo;
Procrastinação;
Desmotivação.

Mas como substituir pensamentos e sentimentos críticos por gratidão?
Ora, há estudos que falam que o estado emocional de nossos pais, no momento da relação sexual, que deu origem a fecundação e hoje estamos aqui, contribui em muito sobre os nossos comportamentos e estados, por isso é TOTALMENTE (entre outros elementos) termos honra, respeito e gratidão a eles. Assim sendo, deste o nosso primeiro segundo de vida registramos informações de acordo com as nossas interpretações e crenças, e com o nosso crescimento, os pensamentos como: “eu não sou capaz”, “eu não consigo” ou “eu não mereço” são resultantes de frases que foram ouvidas, sentidas e vividas em algum momento da vida e foram registradas como verdade.

Alimentar esse tipo de crença limitante pode ser muito prejudicial para o nosso desenvolvimento humano, pois esses sentimentos limitam nossa evolução em diversas esferas da nossa vida. Por isso, é fundamental questionar esse padrão de pensamentos, de modo a evitar que eles se tornem verdades absolutas.

Na prática:
Como falamos no primeiro dia dessa série. Crie o hábito de escrever TODOS os dias, (pode ser a noite):

> 3 (três) fatos que você seja GRATO a você, que aconteceu no dia, algo que você fez e tem esse sentimento de GRATIDÃO

> 3 (três) fatos que você seja GRATO que alguém fez contigo, claro que não importa se o outro percebeu ou não como aquilo foi importante para você, o importante é você reconhecer que foi bom para você

> 3 (três) fatos que você seja GRATO, que estão no seu passado… Peço que mantenha o foco em acontecimentos POSITIVOS, durante a semana irei ensinar como ser grato, aos eventos negativos, ok?

Muitas pessoas querem exercícios, tarefas difíceis, mas o mais ““difícil é fazer o fácil””

Paulo Cesar
Master Coach